O ímpio com a boca destrói o próximo, mas os justos são libertados pelo conhecimento. Provérbios 11:9








Data Publicação: 05/03/2018 12:31:00
Profeta Judeu Jonas: A depressão do profeta

O capítulo quatro do livro de Jonas inicia com o profeta em profunda depressão.

Jonas, o patriota, irado e angustiado não concorda com a misericórdia de D'us dada aos Assírios, o inimigo mais poderoso de Israel e Judá.

Jonas sabia das práticas cruéis da Assíria, que sacrificava crianças aos deuses, capturava os prisioneiros de guerra em anzóis, dilacerando seus corpos, eram corruptos, além de outras más qualificações.

Diante disto, Jonas não aceitou que D'us poderia perdoar eles.

A angústia do profeta era tão forte, que ele perdeu a vontade de viver, ele queria apenas morrer, não havia mais sentido para viver.

D'us não o repreende, mas chama o profeta para conversar como um amigo, um pai amoroso. Então para ampliar a visão do profeta, D'us usa eventos da natureza (planta e vento), possibilitando Jonas extrair lições.

D'us quer transformar Jonas em um profeta missionário, mostrando a ele a importância de restaurar vidas.

Mesmo assim, Jonas permanece irado e depressivo, então D'us decide ser mais claro com o profeta, mostrando que em Nínive havia mais de 120.000 crianças e cerca de 600.000 habitantes, além de muitos animais.

O livro de Jonas mostra o amor de Adonai pelos gentios, sua misericórdia, compaixão e graça; assim, como o papel de Israel diante do mundo.

D'us mostra que ele ama tanto judeus quanto gentios e aproveita o cenário de arrependimento de Nínive para trazer ciúmes sobre Israel.

 

 

Silas Anastácio
Evangelista e Expositor Bíblico
JERUSALÉM ETERNA