O ímpio com a boca destrói o próximo, mas os justos são libertados pelo conhecimento. Provérbios 11:9








Data Publicação: 27/08/2017 21:22:07
O profeta Judeu que preferiu a morte

Judá estava diante de um colapso sem precedentes, mergulhada em um prostíbulo político, religioso, social, depravada sexualmente e corrupta.

A mentira tornou-se uma prática comum na nação e em todos os segmentos da nação, chegando ao ponto de irmãos de sangue não poderem mais confiarem entre si!

 Diante da calamidade nacional de seu país, o profeta preferiu morrer.

O povo era orgulhoso, idólatra e não se arrependia de seus pecados.

Dos religiosos:

O sistema religioso estava mergulhado em idolatria.

As mensagens que os líderes religiosos pregavam era de PAZ! PAZ! PAZ! E curavam apenas as feridades superficiais, porque não havia paz, era momento de morte, dor e fome!

Os mesmos religiosos que frequentavam o Templo de Salomão, também adoravam o Sol, a Lua e a Estrelas, e alguns faziam sacrifícios humanos a Moloque.

Os profetas profetizavam falsamente, e enganavam o povo; os sacerdotes estavam envolvidos em roubo, corrupção, adultério e idolatria.  Além disto, profetas e sacerdotes faziam alianças e dominavam o povo com suas mentiras.

 

Dos políticos:

 Os políticos estavam envolvidos em corrupção, esmagavam os pobres e havia fome por todos os lados.

Muitos reis construíram suas mansões e casas com trabalho escravo, utilizando os pobres; enquanto os primeiros comiam e bebiam das melhores coisas, os pobres sucumbiam por causa da pobreza.

Havia acordo entre os reis, sacerdotes e profetas dos quais controlavam o povo.

 Judá passou por momentos conturbados, cheio de traições, queda no comércio - por causa do reflexo da seca, altos impostos causados pela interferência política e econômica do Egito e Babilônia; além das invasões que ocorreram em 605 A.C e 597 A.C.

O Rei Jeoaquim (609 A.C a 597 A.C) , entrou para a lista dos piores governantes de Judá, por causa da idolatria.

 

Da nação:

A nação não se arrependia dos seus pecados, eram idólatras e orgulhosos.

1) Confiavam em palavras falsas, palavras sem valor

2) Furtavam

3) Matavam

4) Cometiam adultério

5) Juravam falsamente

6) Queimavam incenso a Baal

7) Adoravam outros deuses, faziam advinhações, feitiçarias e praticavam mediunidade e necromância

8) Depois de tudo isto, vem até Adonai para adorá-lo hipócritamente

9) O povo ainda cantava: "Estamos Salvos", "Estamos Salvos", mas apenas para continuar a praticar abominações.

10) O Templo tornou-se um covil de ladrões e salteadores.

O povo era extremamente religioso, mas vivia e adorava de forma hipócrita, faziam todo o sistema sacrificial exigido pela lei, mas estavam longe da verdadeira adoração.

O povo pensava que o Templo, a construção, era importante e não o criador de toda a Terra, Jeová Tsabaoth!

O Templo tornou-se um lugar de reunião de ladrões, adúlteros, homicidas, corruptos, idólatras, falsos profetas e falsos sacerdotes.

  

 

 

Silas Anastácio
Evangelista e Expositor Bíblico
JERUSALÉM ETERNA